Central de Atendimento: (11) 2178-9000

Logotipo Ghelfond Diagnosticos

Agendamento via
WHATSAPP » (11) 97355-9100

Idosos, qualidade de vida e ONCOGERIATRIA

O equilíbrio entre qualidade de vida e expectativa de sobrevida é importante, principalmente para pessoas idosas que apresentam diagnóstico de câncer. De fato, o nível de qualidade de vida está diretamente relacionado a sobrevida do paciente.

A parcela da população idosa vem aumentando e o próprio envelhecimento já é um importante fator de risco para o desenvolvimento de tumores. Por outro lado, as decisões de estratégias de tratamento nesses pacientes costumam ser mais complexas devido, por exemplo, aos problemas de saúde inerentes ao envelhecimento, como a associação de várias doenças, além de alterações que podem levar a dificuldades em atividades do dia a dia.

Ponderações entre a eficácia dos tratamentos versus seus riscos, efeitos colaterais e toxicidades também são de importante equilíbrio. Todos esses fatores interagem e interferem na qualidade de vida.

Portanto, é importante individualizar os tratamentos, sejam para pacientes aptos a tratamento pleno, vulneráveis ou até mesmo frágeis, para os quais são necessárias intervenções e adaptações que melhorem as condições clínicas, tornando o tratamento factível. Outra preocupação é evitar que pacientes, simplesmente pela idade cronológica, sejam subtratados ou menos representados em estudos clínicos. Estas situações também se aplicam a pacientes com câncer.

Uma das formas de aprimorar o atendimento em saúde de idosos é o uso de instrumentos que abordam vários aspectos da vida e também de sua qualidade, como a avaliação geriátrica ampla, que, por exemplo, avalia as condições para realização de atividades do dia-a-dia, a coexistência de várias doenças, o uso de medicamentos, além de condições nutricionais, sociais, financeiras, neurocognitivas e psicológicas.

Como a qualidade de vida é um parâmetro subjetivo, inclusive com relação à saúde, um atendimento interdisciplinar é de extrema importância.

Ao se discutir os vários aspectos da saúde e da vida de cada pessoa, avalia-se o peso geral dos sintomas e a importância relativa de cada um deles. A busca da melhor qualidade de vida individual, ao longo do seu tempo de vida, só é possível com o envolvimento do paciente, da sua família ou cuidador e dos profissionais de saúde.

fonte: http://www.accamargo.org.br/saude-prevencao/artigos/idosos-qualidade-de-vida-e-oncogeriatria/50/


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS